ENCONTRO DOS TAMBORES É MUITO MAIS DO QUE DANÇAR E CANTAR, TRATA-SE DA AUTO AFIRMAÇÃO DA COMUNIDADE NEGRA DO ESTADO DO AMAPÁ

O encontro dos tambores é um momento de autoafirmação das associações e grupos organizados que praticam a cultura do tambor, seja do batuque ou do marabaixo, com espaço também para as religiões de matriz africanas e as manifestações urbanas como o hip hop e capoeira, ou seja, a manifestação da cultura negra tem o espaço do seu manifesto exaltando a cultura negra em todo o estado e em muitas edições com convidados da Guiana Francesa. É a reafirmação da identidade negra no estado do Amapá que acontece durante a semana da consciência negra de 18 a 25 de novembro, tendo como espaço as dependências do Centro de Cultura Negra, hoje denominado de Raimunda Ramos, que desde 1996 tem a administração da União dos Negros do Amapá (UNA).

Os dois primeiros encontros foram realizados na comunidade quilombola de Curiaú nos anos de 1995/96, de início eram poucos grupos o que naquela época já houve questionamentos e a necessidade de um novo espaço e gostariam que acontecesse num lugar neutro e por conta disso passou a ser realizado na cidade de Macapá no local já mencionado. Esse ano de 2018 marca o 23º encontro dos tambores com seu início no dia 18 com a missa do quilombo, hoje um encontro ecumênico em que padres, pastores e sacerdotes das religiões de matriz africana que congregam a um só deus. Durante a semana acontece o desfile da mais bela e mais belo negro, um desfile em que o representante de cada entidade tem de responder a um questionário voltado para a cultura negra, é um espetáculo à parte.

Nos dias seguintes acontecem as apresentações das comunidades que se revezam entre as duas culturas predominantes no estado: marabaixo e batuque e para finalizar um show nacional. Nesse ano de 2018 o encontro dos tambores ganha um destaque a mais, pois o marabaixo é reconhecido pelo IPHAN como patrimônio imaterial do Brasil, um encontro regrado a alegria e gengibirra. Viva o encontro dos tambores.

Por João Ataíde

Palavras chaves: encontro dos tambores, cultura afro, tradições afro, tradição amapaense.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *