33 ANOS DE PROJETO CALHA NORTE E POUCO SE VER DE DESENVOLVIMENTO NOS MUNICÍPIOS DE FRONTEIRA DO ESTADO DO AMAPÁ

O projeto Calha Norte tem 33 anos na soberania da Amazônia. Ele foi criado em 1985, durante o governo Sarney, tudo a parti da preocupação dos militares na vulnerabilidade de 11 mil quilometro de fronteira, totalmente desguarnecida, aberta ao narcotráfico, contrabando.  O projeto Calha Norte, causaria desenvolvimento para essas áreas, destaque: “Desde 1999 sob a coordenação do Ministério da Defesa, o projeto tem o propósito de promover a ocupação e o desenvolvimento ordenado e sustentável da região amazônica. O programa abrange 379 municípios, distribuídos em oito estados: Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul (faixa de fronteira), Pará, Rondônia e Roraima”. Fonte Ministério da Defesa.

A estratégia principal é a “vivificação” dando infraestrutura aos municípios os tornando fortes e sustentáveis, capaz de receber a presença de brasileiros ao longo dessa fronteira. O projeto é sustentado pelas emendas parlamentares que destina essas verbas para a efetivação dos projetos com supervisão direta das forças armadas.

“O Calha Norte tem por objetivo principal o aumento da presença do Poder Público na sua área de atuação, contribuindo para a defesa nacional, muito além do seu aspecto puramente militar.

 

Nesse ponto, o programa está alinhado com os objetivos e diretrizes da Estratégia Nacional de Defesa. O PCN proporciona assistência às populações e as fixam na região”. Como já disse eu viajo muito pelo interior do estado do Amapá, em principal para a área de Amapá e Oiapoque e, percebo que em 33 anos, ainda existe muita pobreza e falta de melhorias para o povo da fronteira, aonde o outro lado é muito mais assistido do que o lado brasileiro, com efetivo militar é bem verdade em que pouco contribuem para o desenvolvimento enunciado pelo Calha Norte, vale lembrar, que no relatório situacional de 2017, do Ministério da Defesa foi apresentando os seguintes valores ao estado do Amapá: Individuais (Parlamentares):  Estado do Amapá: R$ 58.136.292,000 e Bancadas: R$ 1.000.000,00 e a minha pergunta: aonde foi parar todo esse valor? pois os municípios  de fronteira como: Amapá, Calçoene e Oiapoque, estão muito aquém de um desenvolvimento propagado.

 

No município de Amapá tem uma obra da orla da cidade com recurso do calha e parece um canteiro abandonado. Falta fiscalização? Ou os valores não estão sendo repassados? Em resposta as respectivas partes envolvidas.

Por João Ataíde

POVO DENI RESISTE E DENUNCIA INVASÕES EM SEU TERRITÓRIO

Na manhã do dia 07 de janeiro do ano 2019, segunda-feira, Umada Kuniva Deni, Liderança Jovem, professor da aldeia Boiador, Terra Indígena (TI) Deni, localizada no Município de Itamarati, esteve na Rádio Comunitária FM do Povo, na cidade de Itamarati, Estado do Amazonas, para denunciar a sociedade local sobre as invasões que estão acontecendo na …

DISTRITO SANITÁRIO ESPECIAL INDÍGENA DO MÉDIO RIO SOLIMÕES E AFLUENTES REALIZA ETAPA DISTRITAL DA 6ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE INDÍGENA

Iniciou na manhã do dia 11 de dezembro de 2018, no Centro Canaã, na cidade de Tefé, a etapa distrital da 6ª Conferência Nacional de Saúde Indígena, com o tema: Politica Nacional de Atenção à dos Povos Saúde Indígenas: Atenção Diferenciada, Vida e Saúde nas Comunidades Indígena. Teve como objetivo proporcionar momento amplo e democrático …

FÓRUM DE POLÍTICAS PÚBLICAS INDIGENISTAS: UMA AÇÃO UNIFICADA EM DEFESA DA VIDA

A defesa da democracia sem criminalização das pessoas, com defesa das liberdades individuais e coletivas, do direito à participação popular nas decisões políticas e do direito à livre manifestação política garantida aos povos pan-amazônicos, indígenas e não-indígenas. Esse foi o preceito estabelecido no Fórum Regional de Políticas Indigenistas, realizado no Centro de Treinamento Irmão Falco, …

UM ESTUDO DE CASO PARA OS POVOS KANAMARI E KULINA DE CARAUARI

Os povos Kanamari, das aldeias Bauana e Taquara, e Madja Kulina, da aldeia Matatibem, município de Carauri, Amazonas, realizaram nos dias 03 e 04 de novembro, um encontro para estudar sua realidade. Apresentações culturais, celebrações, debates, diálogos, produção de mapas e levantamento de informações sobre o direito à demarcação territorial conduziram os dois dias de …

FÓRUM DE POLÍTICAS INDIGENISTAS: ENCONTRO ENTRE O PODER POLÍTICO E O PODER COMUNITÁRIO

Políticas indigenistas são iniciativas formuladas pelas diferentes esferas do Estado brasileiro que tratam das necessidades dos povos indígenas, que buscam o amparo e a proteção legal destas populações. Elas foram conquistadas na década de 80, com a promulgação da Constituição Federal do Brasil. De lá pra cá, muito avanços se obteve, tanto na demarcação de …

MUTIRÃO DE DEFESA DE DIREITOS: UMA CAUSA INDÍGENA

Setembro foi um mês de grandes debates para a questão indígena no Brasil. O Conselho Indigenista Missionário (CIMI) lançou no dia 27, o relatório Violências Contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2017, que traz dados assustadores da violência contra os povos originários, mostrando o quanto aumentaram tais violências em números e formas. …

POLO BASE MORADA NOVA NA 6ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE INDÍGENA

Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas: Atenção Diferenciada, Vida e Saúde nas Comunidades Indígenas. Esse foi o tema que conduziu as reflexões e proposições dos 42 participantes da Etapa Local da 6ª Conferência de Saúde Indígena, realizada nos dias 17 e 18 de setembro de 2018, na aldeia Boiador, Terra Indígena (TI) …